Categorias

Casal religioso dos EUA é condenado por negar tratamento a filho que morreu

Júri chegou a veredicto ontem, por 10 votos a 2; juiz deve fixar pena dia 18.

Foto: Randy L. Rasmussen / AP pool 19-01-2010
Jeff Beagley ouve testemunho durante julgamento (Foto: Randy L. Rasmussen / AP pool 19-01-2010)
 
Um casal de Oregon City, nos Estados Unidos, foi condenado por assassinato resultante negligência criminosa, depois de deixar o filho de 16 anos morrer sem procurar ajuda médica.

Jeff e Marci Beagley são membros da igreja local Seguidores de Cristo, que prega a cura pela fé e rejeita cuidados médicos.

O filho do casal, Neil Beagley, morreu em junho de 2008 por causa de um entupimento congênito nos órgãos que cuidam da excreção urinária – uma condição tratável. Ele tinha a doença desde que nasceu, mas ela nunca havia sido diagnosticada.

O julgamento durou duas semanas e o júri chegou ao veredicto nesta terça-feira (2), depois de dois dias de deliberação. Dez dos 12 jurados consideraram o casal culpado.

  Religião x saúde
 
O caso trouxe à tona, mais uma vez, a discussão sobre crença religiosa sendo usada como justificativa para negar atendimento médico.

Não é a primeira vez que uma criança cujos pais fazem parte da igreja morre de uma doença que poderia ser tratada.

A neta de Jeff e Marci Beagley, Ava Worthington, morreu poucos meses antes de Neil, aos 15 meses de idade. Ela sofria de pneumonia e de uma infecção no sangue, mas seus pais se negaram a procurar ajuda médica, optando por rezar.

Jeff e Marci estavam presentes na casa na hora da morte. Os pais da menina, Raylene e Carl Worthington, foram julgados e inocentados de sua morte, mas Carl foi condenado por maus-tratos criminosos.

Argumentos

A promotoria argumentou que o fato de os pais rejeitarem atendimento médico pôs imensa pressão sobre Neil, que teve que se conformar com as orientações da igreja.
A defesa, no entanto, argumentou que a questão não é tão simples e que se Jeff e Marci Beagley soubessem que a doença do filho era tão grave, eles teriam procurado ajuda médica.

Os sintomas de Neil eram semelhantes aos de uma forte gripe, alegam os pais. Em março de 2008, o jovem teve outra crise. Na ocasião, um agente de saúde do governo o visitou em casa - depois da denúncia anônima de um familiar - e concluiu que se tratava de uma gripe ou um resfriado.

O casal também alegou que sua crença religiosa o absolve de qualquer obrigação de procurar tratamento médico para o filho. Segundo eles, o adolescente também acreditava na cura pela fé e não queria ver um médico.

  Decisão ‘errada’
 
O único jurado que falou com a imprensa após o veredicto, Robert Zegar, disse que nenhum deles acredita que o casal seja “do mal”. “Eles apenas tomaram a decisão errada”, disse Zegar.

Segundo o jurado, a decisão de condenar o casal foi tomada porque na última semana de vida de Neil, Jeff e Marci Beagley tiveram tempo suficiente para perceber que o estado de saúde do filho se deteriorava.

Os jurados também levaram em consideração a morte da neta do casal, em circunstâncias semelhantes.

A pena máxima para assassinato por negligência criminosa é de 10 anos, mas o mais provável é que o casal seja condenado à prisão por 12 a 18 meses. O juiz pode, inclusive, optar pela liberdade condicional, desde que eles cumpram algumas exigências. A sentença deverá ser anunciada no próximo dia 18.

03/02/10 - 11h06 - Atualizado em 03/02/10 - 11h38

Fonte: G1
Blog Widget by LinkWithin

1 comentários:

Gilson disse...

O próprio Jesus citou um provérbio popular da época dizendo: Os sãos não precisam de médicos, e sim os doentes...
Falta de conhecimento é terrivel,
Jesus realmente cura, mas a religiosidade e o fanatismo matam.

Postar um comentário

Gostou do que encontrou aqui?
Comente este artigo que acabou de ler.
E não esqueça de recomendar aos seus amigos.

Related Posts with Thumbnails